O Rota do Blues Radio é a versão rádio web (podcast) do primeiro programa da TV brasileira a abordar a história do gênero.
A versão web tem a mesma proposta, contar a história do blues através de suas obras sonoras e seus inúmeros interpretes ao longo de sua história centenária.
Um dos destaques principais do programa é mostrar o blues feito no Brasil através de bate-papos com músicos e afins que vivem o cenário do blues nacional.
É só clikar e escolher a edição desejada.
Seja bem-vindo (a) na verdadeira Rota do Blues !!!
The Route of Blues Radio is the web podcast radio version from the first brazilian television program about the history of the gender .
The web version has the same purpose, tells the history of blues thru the sounds and stuffs of their several interprets along this centenary way.
One of the highlights is show the blues made in Brazil over the interviews of the brazillian blues musicians.
Its only to click to choose you desired edition!
You are welcome to the really mean Route of Blues.

domingo, 28 de dezembro de 2008

THE CHEROKEE MIST!



A nice cover for superb songs:

Cherokee Mist

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

FALTAVA ELE:MR MUDDY MISSISSIPI WATERS


Agora não , veja esse video do programa Rota do Bues TV, e além de tudo tocando e cantando com Willie Dixon:


Muddy Waters - I'm a man




quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

AGORA WILLIE DIXON!


Continuamos postando nossos videos de blues. VIVA O BLUES!!!!!!!


Willie Dixon-nervous

domingo, 30 de novembro de 2008

sábado, 29 de novembro de 2008

LOBO UIVANTE.


Enquanto não tivesse um video dele postado o blog não estaria completo:

Howlin Wolf

sábado, 22 de novembro de 2008

Novas atrações no RdoBR


Já são 8 podcast contando um pouco da história do blues, entre eles dois super especiais - THE ALLMAN BROTHERS (programa 5) e agora o re-inventor da guitarra, o gênio JIMI HENDRIX (programa 8).
Em alguns dias estaremos postando mais uma coleção de vídeos do programa de TV ROTA DO BLUES com imagens históricas .
Um pouco mais adiante, a 9a edição de nosso podcast, uma edição destacando o BLUES NACIONAL.
Enquanto isso, não deixe de ouvir blues. É bom prá alma e também faz bem para o corpo!
Shake Baby Shake!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
O RdoBR trabalha na preservação do blues!!!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

OITAVO PROGRAMA - JIMI HENDRIX


Deixe tudo que está fazendo de lado. esse é um programa, singelo, simples, sem badalações, sem exibição, só JIMI e sua guitarra, o blues-rock, eu, Edu e voce, e todos nós que o amamos e a musica.Ainda somos uma imensa multidão no meio de toda a bárbarie. Será que é preciso mais???? Vamos nessa!ESPECIAL JIMI HENDRIX?
Set List:
Intro
01-Have Mercy Baby
02-Suspicious
03-I'm A Man0
4-she" a Fox
05-Exp (live in Sweeden)
06-Up Feom Skies(live in Sweeden)
07-Catfish blues
08-Jam thing ( with Traffic)
09-Red House ( studio)
10-Red House ( live in San Diego)
11-Woodstock)
12-Earth Blues (Bog-Madson Square Garden)
13-Lord I sing Blues
14-Country Blues
outro ( Mitch Mitcheel farewell)

Oitavo Programa

sábado, 15 de novembro de 2008

JIMI VEM VINDO!


Dentro de mais algumas horas estará no ar nosso especial com Jimi Hendrix! Alguns sons inéditos, outros raros, outros conhecidos mas nunca esquecidos e que amamos sempre ouvir e até uma entrevista psico radiografada com o mestre. Come on...

terça-feira, 4 de novembro de 2008

SUPER ESPECIAL JIMI HENDRIX


JAMES MARSHAL HENDRIX

Demorou, mas na próxima semana estará no ar nosso segundo especial. Desta vez o maior gênio da guitarra será a atração do podcast Rota do Blues Radio - 8a Edição. Antes do programa ir pro ar, BOB TEQUILLA, um dos maiores conhecedores da vida e obra de Hendrix, vai publicar seu post sobre o mestre.
Enquanto isto, fique com um texto sobre Hendrix e um pouco de sua trajetoria.

Jimi Hendrix
morreu em 18 de setembro de 1970. Depois de 38 anos, sua obra continua sendo estudada, reverenciada e inspirando inúmeros músicos pelo mundo inteiro. Quando alguma revista, jornal ou rádio promove uma lista com os maiores guitarristas de todos os tempos, um mesmo fato se repete: O nome Jimi Hendrix sempre aparece em primeiro lugar.
...Jimi Hendrix morreu com 28 anos. No auge de sua carreira - aqueles anos admiráveis entre 1967 a 1970 - existia uma cultura em que brancos e negros, masculino e feminino, político e poético se fundia numa mesma entidade. Hendrix, nativo de Seattle - a terra do grunge - precisou ir até a Inglaterra e se fantasiar de dândi psicodélico para conquistar a América. O guitarriosta dos Rolling Stones (que morreria misteriosamente no ano seguinte), viajou da Inglaterra até Monterrey só para anunciar o espetáculo de Jimi, no mesmo festival que revelou Janis Joplin. Jimi fez uma apresentação inesquesível, culminando com a queima ritual da sua guitarra sobre o palco. James Marshall Hendrix foi um dos primeiros war babies americanos: nasceu em 1942, ano que os EUA , entraram efetivamente na Segunda Grande Guerra Mundial. Seu pai era um jardineiro negro; sua mãe, filha de uma índia Cherokee. Jimi estudou gaita-de- boca, depois violino. Aos 11 anos, ganhou uma guitarr. Aos 14 - cabelos gomanilados, gravata-borboleta e summer jacket - aniva bailes nas noites de sábado como Rocking Kings. Seus professores eram os discos de cantores de Blues como BB King e Muddy Waters e do roqueiro Ckuck Berry. O disco que saiu em 1994, Blues, mostrando a ligação de Jimi com o gênero, trás incríveis revelações. Nas extensas notas de capa, Michael J. Fairchild afirma que Hendrix teria tido uma iniciação vodu e Blues em Macon, na Georgia, aos 13 anos, em 1956. Para justificar sua tese, Fairchild cita Michael Ventura em Whola Earth Rewiew:
" Nos anos de 1650, depois que Oliver Cromwell conquistou a Irlanda numa série de massacres, ele deixou seu irmão Henry como governador da ilha. Na década seguinte, Henry vendeu milhares de irlandeses, principalmente mulheres e crianças para as Índias Ocidentais. Cálculos falam de 30 a 80 mil pessoas. Os escravos irlandeses, em sua maioria mulheres, foram casadas com africanos. Virtualmente todo relato sobre o vodu indica, a certa altura, como são semelhantes as suas práticas de bruxaria com as práticas da feitiçaria européia. Pagões praticantes da Irlanda infundiram suas crenças aos africanos, misturando no vodu duas grandes correntes de metafísica não-cristã."
Este caldeirão afro-irlandês, dentro de um caldeirão americano que continha o índio Cherokee, revela a linguagem clássica de Jimi Hendrix. O pai diz que Jimi costumava ouvir BB King e Muddy Waters e tocar guitarra acompanhando os discos. Jimi esclarece: "onde aprendi realmente a tocar Blues foi no Sul, quando servi o exército durante nove meses." Estudiosos da vida e obra de Jimi Hendrix estabeleceram até uma ligação com Robert Johnson. Em 6 de março de 1942, o maior tornado que já se abateu sobre o Delta varreu da face da terra o botequim Three Forks, onde Robert foi envenenado. Nove meses depois, nascia Jimi Hendrix.
Hendrix teve uma experiência de estrada rica em Blues. Excursionou pelos EUA, Canadá e Bermudas com o grupo Isley Brothers. No Tennessee, çparticipou de um pacote itinerante de Rhythm & Blues que incluia seu ídolo BB King, mas perdeu o ônibus e ficou a pé em Kansas City. Lá achou uma vaga na banda de Little Richard, o primeiro superstar andrógino do rock. Jimi largou a companhia em San Francisco e entrou para a turnê de Ike & Tina Turner Revue, que o levou até Nova York. No Verã de 1966, Jimi - com o nome de Jimmy Lames, acompanhado pelo grupo The Blues Flames - era uma atração exótica do Café Au Go Go, no Village e vários astros britânicos foram vê-lo.: os Beatles, três dos Rolling Stones, Bob Dylan. Chas Chandler, guitarrista do grupo The Animals, em turnê pelos EUA, propôes a Hendrix: "Venha para a Inglaterra e farei de você uma estrela." Dito e feito. Com roupas coloridas, um novo nome, um baixista e um baterista brancos e o trio batizado de Jimi Hendrix Experience, Jimi aterrissou com impacto no cenário do rock, saudado como " o guru do Blues eletrônico." O dinheiro e a fama tiveram sobre Jimi o mesmo efeito destrutivo que acabou com Janis e Jim Morrison. Na roda viva do "sexo, droga e rock'roll (parece clichê, mas é pura verdade). Jimi brilhou no Festival de Woodstock em 1969 fez um concerto pela paz no Madison Square Garden de Nova York, uma filmagem meio maluca no Havaí. (Rainbow Bridge) e uma apresentação frustrante no Festival da Isla The Wight, em 1970. Na noite de 16 de setembro, em Londres, Jimi foi ver Eric Burdon no club de jazz de Ronnie Scott e deu uma canja. Tocou pela última vez e tocou Blues. No dia 18, foi encontrado inconsciente no quarto do hotel e chegou ao hospital morto. O patologista registrou "morte por sufocação causada pela inalação de vómito após a intoxicação por barbitúricos".
Jimi foi outro enterrado vivo pelos Blues. Chegou a gravar alguns deles: Rock Me Baby, de BB King e Bleeding Heart, de Elmore Lames. E toda sua música estava impregnada de Blues, uma espécie de tradução pra a Era do Homem na Lua da velha tradição do Delta., um casamento perfeito das raízes com a alta tecnologia. Na sua última entrevista à imprensa, depois do Festival da Isla The Wight, Hendrix falou sobre a corrente sonora do futuro.

"Gosto de Richard Strauss e de Wagner, são caras legais e acho que vou formar a base da minha nova música. Mas pairando no céu acima de tudo estarão os Blues - haverá a celestial música do Ocidente e a suave música do Oriente, misturadas para formar uma coisa só."

JIMI HENDRIX!!!!


COMO SE ELE NUNCA TIVESSE IDO! Dentro de mais alguns dias estará no ar o nossso especial sobre JIMI! nosso velho e adorado JIMI. Mostrando um pequeno mas apaixonado,distorcido,alavancado,estridente e lisérgico pedaço de seu legado musical.Qeremos ver todo mundo feliz e sorridente como as estrelas de SAM LAUHGLING!Aguardem só mais uns dias...

sábado, 4 de outubro de 2008

Sétimo Programa


Se voce gosta de Blues veja só :
Willie Dixon - o maestro do blues
Yardbirds - o blues inglês
O blues feminino
Blues do Brasil - Bandanna Blues

Sétimo Programa

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

HAVING A RAVE UP!




Será que o nome YARDBIRDS teria alguma intenção de homenagear o MESTRE BIRD????E será que o termo rave up é só essa merda que se vê atualmente????????

Claro que sim na primeira resposta e claro que não na segunda;

O termo RAVE UP , que dá titulo a um dos discos da banda ficou como sua marca registrada. Eram aqueles 20 segundos mágicos que os seus guitarristas ficavam em evidencia solando. Estavam seguindo uma tradição que o MR BIRD e MILES DAVIS e COLTRANE e SUN RA e GILLESPIE e sabe-se lá mais quantos... já tinham forjado. Os YARDBIRDS estavam também abrindo um caminho por onde passariam os guitarristas todos do blues-rock .Depois do Rave up dos birds ninguém teria mais escrupulos em solar não 20 segundos mas vinte minutos. ehehehehe.

Que hoje esse termo tenha virado merda na giria dos funkeiros parasitas da pior laia é pura falta de imaginação e sei lá que mais. Mas aqui na rota do blues reverenciamos esse termo em todo o significado que os YARDBIRDS quiseram e na pratica que eles eternizaram..

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Atração programa 7

Bandanna Blues Band

Formada em Maio/2007 com o objetivo de tocar Blues/rock, a Bandanna Blues busca um diferencial musical através de uma influencia Rockabilly, Jazz e samba na pegada blues.

A união ocorreu após a participação do evento de Tributo a Eric Clapton realizada na Banca do Blues, onde a Bandanna Blues fez o show de estréia em Novembro de 2007, após a gravação do EP.

No repertorio, alem das músicas proprias, Eric Clapton, Koko Taylor, Etta James e musicas de Ray Charles, B. B. King, Susan Tedeschi e adaptações de algumas musicas para o som do blues.

O grupo é formado por Anna Carla, vocais, (foto),Maurício Fernandes, guitarra e Guilherme Hully Gully, baixo.

Atrações programa 7







Shemekia Copeland, Susan Tedeschi e

Saffire - Uppity Blues Woman


Shemekia Copleland nasceu no Harlem, Nova Yorque, em 1979. Seu pai, o lendário guitarrista texano, Johnny Copeland, reconheceu bem cedo o seu talento e com 8 anos de idade já freqüentava o Cotton Club. Apareceu pela primeira vez em cena em 1997 com seu primeiro disco e rapidamente se tornou, aos 18 anos, uma superstars do blues.


Susan Tedeschi nasceu, em 1970, em Boston, Massachussets, Formou seu primeiro grupo em 1994 com Tom Hambridge e Adrienne Hayes. Em 95, ela começou a tocar guitarra e mostrar competência. Em 2004, foi considerada pelo jornalista da ESPN Peter Gammons como uma das maiores revelações do blues atual.


As senhoras do Saffire - Uppity Blues Woman são: Gaye Adgbalola, vocais; Andra Faye, piano e Ann Rabson, baixo. O trio foi formado em 1990 e logo contratado pela Alligator Records, maior gravadora de blues do mundo. Já gravaram 7 álbuns e os boogies são o cartão de visita do grupo.



quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Atração programa 7

THE YARDBIRDS, UNIVERSIDADE DO BLUES!

O blues não tem escola só universidade
Ninguém consegue aprender blues na escola.Se vc sair pelas highways e encontrar monsieur principe das trevas e com ele fizer um trato poderá ser um novo Robert Johnson, é dificil mas pode aconntecer essas duas coisas, encontrar o dito e vc ser um gênio do blues... Agora se vc ficar 8 horas dentro de uma escola de musica treinando escalas e solos e fazendo exercicios para soltar os dedos nunca será um bluesman. No máximo será um guitarrista insosso e chato como os da geração atual.Produzindo musiquinhas bonitinhas e politicamente corretas, com as escalas bululú daquelas e que sobem e descem e nunca aparecem, um tipico cabeça de balde, ehehehe.
Pois é falei isso tudo só para introduzir uma das minhas bandas preferidas uma que nunca foi a escola do blues mas virou uma universidade do blues. THE YARDBIRDS.Nessa universidade o dce, em vez de marxistas empedernidos e endinheirados tinha três guitarristas, na sua grade curricular: Eric Clapton, Jimi Page e ele o meu preferido:Jeff beck(o mais chato e metido mas...ninguém é perfeito mesmo).
Já pensaram que banda teria em toda a história da sua formação tais musicos: sem contar os outros como keith relf e jim mcarthy?ótimos mas que ficaram ofuscados pela presença enorme que adquiriram os outros ,
a medida que foram ganhando status no rock e blues rock.Clapton sempre foi musicalmente comportado vunerável e deprimido e sua guitarra mais intimista. Page um musico de estudio produtor, cheio de técnica, um que sabe tudo da guitarra e como tirar dela o que precisar.Mas Beck, segundo meu guru Ezequiel neves, é o enfant terrible do rock,sempre a quebrar a musica com um riff libertador ou um power chord inusitado ou um flash despirocante. Really really.
O Jeff Beck é um cara gozado parece tocar sempre menos do que sabe e ficamos curiosos querendo ouvir mais.Fico pensando se durante um show ele quando vê o publico pulando e gritando o seu nome, fica entediado e pensa:vou parar de tocar agora e esses fudidos que se danem e venham ouvir mais depois. Rsssssssss muito cruel!Claro que ninguém pensa em Jimi Hendrix fazendo isso, ou Clapton ou Page. Só ele mesmo: Jeff Beck.Assim o yadrbirds virou uma universidade do blues rock cada dia gosto mais de escutar os seus discos velhos, pura tesão musical. Tudo daquilo que falta hoje.Pobres de nós se não é a internet para baixa-los e desponibilizar para a galera blues maniaca.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Atração programa 7


Willie Dixon - 1915/1992

Willie James Dixon é sinônimo do blues. Não foi um grande cantor. Como instrumentista foi um contra-baixista razoável. Nenhum músico de blues atingiu o tamanho de Dixon como compositor. Foi também arranjador e um dos maiores produtores do gênero, principal responsável pelo sucesso da gravadora Chess, porta-voz do Chicago blues.As composições de Dixon eram disputadas pelos dois maiores nomes do Chicago Blues, Muddy Waters e Howlin’ Wolf. Todos os grandes grupos da chamada invasão britânica dos anos 60 gravaram Dixon. Criou uma fundação, a Blues Heaven Fundation, organização sem fins lucrativos para corrigir injustiças passadas e estimular as vocações, mantendo vivos a memória e o futuro do blues. Em 1987, o Led Zeppelin concordou em indenizar Dixon pela apropriação indevida de sua música, especialmente You Need Love que virou Whole Lotta Love.Dixon nasceu no Delta do Mississipi e morreu em 1992 aos 76 anos de idade numa despedida digna de um homem com alma blues.
Veja o que foi publicado no jornal O Estado de São Paulo de 7 de fevereiro de 1992:


"Chicago prestou uma última homenagem ao lendádio bluesman Willie Dixon tomando emprestada uma tradição de Nova Orleans. Uma carroagem do tempo da Guerra Civil amenicana, puxada por cavalos, cruzou a zona sul de Chicago carregando o esquife de Dixon, seguida de um cortejo de músicos de blues de cabelos grisalhos que tocavam Celebrete a Wonderful Life. A banda marcial de uma escola da cidade também fez parte do cortejo acompanhado por uma multidão de guarda chuvas que subiam e desciam no ritmo da música. Centenas de fãs, negros e brancos, de todos os cantos de uma segregada Chicago, caminhavam juntos ao compasso do blues enquanto moradores da vizinhança acenavam de suas sacadas e seguravam posters com o rosto sorridente de Dixon"....


Fonte- Blues - Da Lama a Fama - Roberto Muggiati



As atrações da 7a edição


A próxima edição do Rota do Blues Rádio vai destacar:
01. WILLIE DIXON (foto esq) - o maior compositor da história do blues.
02. YARDBIRDS (foto dir) - grupo inglês sessentista fundamental ao crescimento do blues.
03. As vozes femininas do blues com: SHAFFIRE, SHEMEKIA COPELAND E SUSAN TEDESKI
04. No blues feito no Brasil o grupo carioca BANDANNA
Antes de colocarmos no ar o programa, nos próximos posts do blog, uma pequena biografia dessa turminha aí.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Muita novidade pela frente


Ao longo dos últimos seis meses este blog vem compartilhando com os amantes de blues um pouco da paixão que temos pelo gênero.
Divulgamos aqui vídeos extraídos do primeiro programa de blues da TV brasileira, o Rota do Blues, que esteve no ar durante dezoito meses na TV comunitária SecTV, canal 44 - UHF, Mogi Mirim SP; disponibilizamos prá vc alguns dos mais importantes álbuns de blues da história para baixar e o podcast do programa Rota do Blues Radio, que em breve estará no ar com sua 7a edição.
Estamos preparando grandes novidades! Novos vídeos do programa de TV, outros álbuns e um especial de Jimi Hendrix (8a edição) que não vai deixar pedra sobre pedra sobre o gênio, produzido pelo parceiro Bob Tequilla, um dos maiores conhecedores do país da vida e obra de Hendrix.
O blues feito no Brasil terá em breve um capítulo à parte e esperamos com isso dar um pouco de nós para a perpetuação do gênero por aqui.
É isso aí. Todo dia é dia de blues!!!!!!!!!!!

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Mais um video!


Agora Paul Rodgers:

Muddy Waters Blues

sábado, 23 de agosto de 2008

Discos mais Importantes do blues!


Ele era capaz de fazer o que nem deus e o diabo juntos conseguem: TER ALMA BLUES!Aqui está esse momento histórico da musica universal. Os blues que Mr ROBERT JOHNSON gravou poucos meses antes de desaparecer dessa josta de mundo. Como nem deus nem o diabo sabem fazer também, nos deu canções maravilhosas. Tudo tocado com cordas velhas e estragadas, sem floyd rose, ou amps marshall, ou guitarras sólidas ou técnicas de firulas e palhetadinhas cabulosas de menininhos ricos imbecilizados que se metem a tocar para aparecer. Contam as lendas , e elas são inumeras que as cordas da sua guitarra davam medo em qualquer musico (de tão velhas e enferrujadas que estavam) . E tome lendas lendas e mais lendas. E deve estar rindo delas na sua pobre cova porque nem chegaram perto da realidade.hehehehehValeu mr JOHNSON!

Enfim, se o blues não tivesse nome chamaria ROBERT JOHNSON!


Complete Songs - parte 1



Complete Songs - parte 2

Discos mais importantes do Blues



Peter Greeen e o Fleetwood Mac:

Peter's green Fleetwood Mac

sábado, 16 de agosto de 2008

Chegamos ao Programa VI!


Um blues básico , interessante e ao mesmo tempo moderno e eletrico, é o que oferecemos nessa etapa.Tudo isso depois da overdose de Allman Brothers que foi o progrma V. Mas ninguém reclamou de todo esse som! Nice weekend bluesnautas!

Programa VI

Veja nossos convidados: 01. West Side Song - Otis Rush, Magic Sam, Buddy Guy e Luther Allison. 02. R L Burnside 03. Fleetwood Mac (capa desta edição). 04. Rodrigo Nézio & Duocondé Blues e Daniel Magga.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Atração programa 6

DANIEL MAGGA

Daniel Magalhães é um jovem "dr causidico" que tem o blues rock na alma. Paralelamente a sua profissão canta na noite paulistana. Está lançando na Web seu primeiro cd demo, "Daniel Magga - O Advogado do Diabo".
O RdoBR (Rota do Blues Radio) mostra a música que dá nome ao cd, um blues rock onde o personagem da canção, um diabo mal acabado e meio humano, procura um advogado. O cd tem a participação de velhas lendas do rock nacional como Luis Carlini e Johnny Boy. As sete faixas do cd você encontra no site http://www.danielmagga.com.br/
Ainda no site você pode ver alguns vídeos de seu trabalho no YouTube.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Atração programa 6


RODRIGO NÉZIO & DUOCONDÉ BLUES

O destaque nacional do Rota do Blues Radio é o grupo mineiro de Barbacena MG, RODRIGO NÉZIO & DUOCONDÉ BLUES, nova safra do blues feito no Brasil. O RN&DuocondeB, com pouco mais de 4 anos de estrada lança seu segundo disco, primeiro álbum através de uma gravadora independente Blues Time Record(BTR).
O projeto “Rodrigo Nézio & Duocondé Blues” iniciou-se em meados de 2004 quando Rodrigo Nézio, decide colocar em prática a paixão que havia adquirido através dos anos pelo blues. Nézio que já vinha tocando guitarra com outras bandas desde 1995, decide lutar por um projeto mais ao seu gosto e estilo. Convida então André Torres (Bateria) e Rodrigo Chaffer (Baixo) para darem vida às suas músicas.
Em março desse ano, Rodrigo concebeu uma entrevista à Edu Soliani, e agora pubicamos na íntegra.
Leia a entrevista e escute a sexta edição do Rota do Blues Radio com um pouco da música do grupo!!!!


Rota do Blues Radio - Fale sobre a sua formação
musical e dos integrantes do grupo.
Rodrigo
- Somos todos autodidatas. Já tocamos a
mais de 20 anos cada um,
aprendendo na noite, dando
cacetados por ai. Já passamos por várias bandas e
por vários estilos desde
o Heavy metal ao Funk & Soul,
do Pop Rock ao Samba. Nesse período de aprendizado
vale tudo, é bom para
formar a linguagem pessoal.
É claro, estamos aprendendo até hoje, e sempre haverá
esse aprendizado.
Hoje com o Blues estamos vivendo
uma experiência muito legal, com um trabalho autoral
que está dando
bons frutos. O Blues é uma linguagem
que nos possibilita explorar muitos sentimentos e
sensações diferentes.
Rota do Blues Radio - Quando apareceu o Blues na
sua vida?

Rodrigo
- A mais ou menos 7 anos atrás. Comecei a
descobrir que o que
mais gostava quando tocava
Iron Maiden, Van Halen e Queen, também existia em
Gary Moore
e Eric Clapton.
Assim, comecei a ouvir
mais artistas do tipo e descobri B.B.King, Albert King,
Robert Johnson,
Steve Ray Vaughan, Albert Colins e
outros grandes nomes.
Rota do Blues Radio
– Suas principais influências.
Rodrigo
- Com certeza B.B.King, Eric Clapton, Gary Moore
e Albert King.
Rota do Blues Radi
o – O RN&DuocondeB, com pouco mais de
4 anos de estrada
lança seu primeiro álbum
através de uma gravadora independente (BTR). O Blues
começa a conquistar
seu lugar no país?
Rodrigo
- Acredito que o Blues já tem um espaço
conquistado no País.
Existem Bandas e Artistas que já
fazem Blues há muito tempo no Brasil, desde a
década de 80 e que
hoje são os responsáveis pela conquista
nesse mercado ainda underground como André Cristovam,
Blues Etílicos,
Celso Blues Boy, Baseado em Blues
e outros. Hoje, acho necessário um trabalho de difusão
do estilo e
de novas Bandas que surgem nesse
mercado, pois devemos aumentar o número de adeptos ao
estilo para
enraigar de vez o Blues no Brasil. Tem
muitas Bandas e Artistas novos surgindo, e com um
trabalho muito
bom e profissional.
Rota do Blues Radio
– Em Minas tem várias boas
bandas de Blues,
na capital e no interior. O Minas Blues Jam
é o grande caminho para essa proliferação de grupos?
Rodrigo
Com certeza o Minas Blues Jam é uma grande
força de
divulgação do estilo em Minas e no Brasil.
O Gustavo tem feito um belo trabalho. Existe Também
outros projetos
sendo desenvolvidos fora da capital
como as Temporadas de Blues em Tiradentes, sempre em
Janeiro feitas
pelo Ted (Yellow Cab Blues Band), o
Spacial Jam feito por nós em Barbacena, sempre trazendo
artistas de fora.
Rota do Blues Radio
– Por que DUOCONDÉ ?
Rodrigo
- Tomamos como exemplo alguns nomes de artistas
já consagrados
como SRV and Duble Truble,
ou John Mayall and The Bluesbreakes. Assim resolvemos
que seria
Rodrigo Nézio & um nome para "dupla
do Rodrigo com o André". Então um dia o Rodrigo conversando
com um
amigo, pediu uma sugestão de um
nome para o seu "duo com o Dé", virando então "Duocondé".
Rota do Blues Radio
– São 15 músicas no primeiro cd,
todas autorais.
Isso valoriza mais o trabalho do músico?
Rodrigo
- Não acho que valorize mais. Acho que qualquer
trabalho desenvolvido com sinceridade e franqueza
valoriza o Músico. O que acho importante no trabalho
autoral é que mostra possibilidades diferentes do potencial
do músico. Há muitas pessoas que gostam de ver um
trabalho desenvolvido
por um artista novo, principalmente
de um artista de sua própria terra.
Rota do Blues Radio
– Deixe seus contatos como,
Myspace, Sites e
todos os seus endereços para o interessado
e como adquirir o cd do grupo.
Rodrigo
- Nossos sites são:
www.rodrigonezio.com.br
www.myspace.com?rodrigonezio
tel.: 32.9197.4781 - 9123.6936
Os CDs podem ser adquiridos no site:
www.bluestimerecords.com
www.tratore.com.br
Rodrigo - Gostaria de agradecer a vc Edu, pelo espaço
e pela divulgação.
É de pessoas como vc que nós artistas
de Blues e amantes de Blues estamos precisando.
Gostaria de agradecer
também a todos que tem dado uma
força para nosso trabalho, a nosso público que está
sempre presente nos
shows, um grande abraço e muito Blues.

Atração programa 6

RL BURNSIDE

Estou reeditando este meu texto de setembro, adicionando um vídeo do fantástico RL Burnside. Este vídeo, é parte do maravilhoso filme Deep Blues, de Robert Palmer.É notável a habilidade do velho bluesman, e como o povo do local se aglomera para vê-lo tocar sua guitarra na soleira da varanda de sua humilde casinha, como muitas no Delta do Mississíppi. Procurem escutar mais o som deste bluesman realmente enigmático.Até as galinhas se aproximam ao som do RL!!
R.L. Burnside, nasceu no Condado de Lafayette, perto de Oxford, Mississipi, em 1926. Ainda jovem, se mudou para o Condado de Marshall mais ao norte, para trabalhar como meeiro numa plantação. Inspirado no Hit Boogie Chillun de John Lee Hooker, em 1950 iniciou a cantar blues e tocar guitarra. Além de Boogie Chillun, o Disco Hooker 45 rpm e outras forças influenciaram R.L., como Mississíppi Mc Dowell e Rannie Brunette.
Desesperado com o fracasso das colheitas, R.L. migrou para Chicago, na esperança de dias melhores, mas Chicago não colaborou. No espaço de um mês, R.L. perdeu pai, irmão e tio, assassinados. Nas músicas ´Hard Times, Killing Floor` e R. L.´s Story, ele conta estas tristes passagens dos primeiros tempos de Chicago. Por volta de 1959, ele retorna ao Mississíppi, novamente para trabalhar na lavoura, e constituir família. Iniciou tocando à noite nos finais de semana.
Seus primeiros discos apareceram em 1967, uma compilação pela Arhoolie. Apesar de R.L. preferisse guitarra elétrica, a moda, o modismo recomendava que se gravasse acústicos. Estas gravações levaram R.l. a ter algum reconhecimento e empreender tournês locais e para fora. Nos anos 70 e 80, tocou com uma banda da família chamada Sound Machine. Mas eram pouco conhecidos fora do Norte do Mississíppi, embora bem conhecidos no local.
Tudo começou a mudar na vida de R.L., nos anos 90 quando o escritor Robert Palmer, autor do livro Deep Blues, que contava a vida dos bluesmen do Delta, resolveu fazer um documentário, um filme com o mesmo título do livro. Deep Blues levou R.L. ao estrelato.
Logo em seguida Palmer produziu R.L. com o álbum Tôo Bad Jim para a incipiente gravadora indie, Fat Possum Records. Junto com o álbum de Junior Kimbrough ´all Night Long`, foi considerado um dos melhorese influentes álbuns de blues dos anos 90.
Tôo Bad Jim, chamou a atenção de Jon Spencer, um dos remanescente do movimento pós punk, que convidou R.L. a fazer parte de sua Jon Spencer Blues Explosion Band, e excursionar exaustivamente. A parceria levou ao lançamento de outro álbum fantástico pela mesma Fat Possum, e se chamava An Ass Pocket of Whiskey, onde havia um apelo adolescente com participação de uma turma bem jovem. R.L. se tornou um campeão de vendas no mercado de gravação indie. Em 1997, R.L. gravou Mr Wizard em parceria entre Fat Possum e a distribuidora Epitaph. O álbum apresenta R.L. em turnês pesadas com companhia do neto Cedric Burnside e o filho adotivo Kenny Brown. Em 1998, gravou Come On In, o qual confronta seu blues de raiz, com a música eletrônica moderna graças ao apoio do produtor Tom Rothrock (o mesmo de Beck e Elliot Smith). Foi um álbum com uma crítica respeitável cujo hit ´It´s Bad You Know` fez parte da trilha sonora da Série Família Soprano, da HBO, junto com Keb Mo.
Em 2001 gravou o excelente ´I Wish I Was In Heaven Sitting Down`, outro sucesso.
O som de R.L. sempre foi assim, explosivo, emocionante, e é impressionante notarmos o vigor físico, a visão deste bluesmen que flerta com a modernidade juntando a crueza, a pureza do blues, com a explosão dos ritmos eletrônicos como house, techno, trance...pois eu e o Fábio sempre estamos discutindo música, e falei a ele que ia fazer um post deste bluesman visionário, muitos anos luz à frente de seu tempo. Conheço o som dele. é enigmático, impressionante.....
Ou seja, merece uma audição pois o cara é demais mesmo, uma fera..

OBS: Burnside estava com a saúde em declínio desde cirurgia cardíaca, em 1999. Ele faleceu em St. Francis Hospital em 1 de setembro de 2005 com a idade de 78. ...
www.fatpossum.com

http://www.youtube.com/watch?v=HcqiiWO0Rkc

por

Ricardo Neves Gonzalez


Atração programa 6




WEST SIDE SOUND

No fim dos anos 50, o blues elétrico inspirado na tradição do Delta (Muddy Waters e cia.) deixava progressivamente de agradar às jovens gerações de negros de Chicago e região. Foi no bairro oeste - West Side - ainda mais selvagem e malbaratado que o South Side, que veio a renovação. Um punhado de guitarristas muito jovens inicialmente agrupados em torno da pequena marca Cobra, de propriedade de Eli Toscano que tinha o maestro Willie Dixon e Shakey Jake como produtores, faziam a síntese entre a influência que se impunha cada vez mais de B B King, os tempos sincopados da soul music nascente e o blues elétrico de Chicago, doravante tornado tradicional.
Canto tenso e vibrante, generalização de temas em modo menor até então raramente usado no blues: o West Side Sound é uma música elaborada, mas sem ênfase, traduzindo de outra maneira essa forma dramática e apaixonada do sul, introduzida após a 2o GGM no blues de Chicago e do qual conseguiu conservar sua essência. O blues do West Side ia até mais longe e exaltava bem a atmosfera desse gueto e as desilusões pessoais dos jovens negros que aí cresceram.
OTiS RUSH (foto), MAGIC SAM e BUDDY GUY (foto) foram seus principais nomes, tendo ainda, FELTON ROBINSON, LUTHER ALLINSON, JOHNNY JOHNSON, LONNIE BROOKS E MAGIC SLIM como seguidores.

domingo, 3 de agosto de 2008

Próximas atrações - Programa 6



Com uma história de mais de 100 anos (aja informação, né), tem gente que fala do blues como se tivesse nascido semana passada e está sendo descoberto agora. Por um lado é bom, novas pessoas estão descobrindo que o gênero existe e por outro , transmitem suas idéias de forma bastante banalizada e tosca, casos de alguns novos programas na Web.
Todos nós sabemos que o blues e outros assuntos, fora de moda, tem seu espaço apenas na Internet, a mídia tradicional não quer saber de assuntos que fazem o indivíduo pensar. Vivemos na era do usa e joga fora. O blues nunca foi uma griffe. Exige sim, além de muita informação, experiência de vida e muita paixão, não da boca prá fora.
O Rota do Blues Radio publica nos próximos dias sua sexta edição e, como de praxe, tenta mostrar o que realmente está por trás desse gênero.
Vamos apresentar desta vez um pouco do West Side Sound de Chicago - a segunda geração elétrica do blues (final dos anos 50); o grupo inglês Fleetwood Mac (final dos 60); o bluesman visionário e enigmático RL Burnside (só descoberto nos 90 - foto) e o blues feito no Brasil dos mineiros de Barbacena MG de Rodrigo Nésio & Duocondé Blues (foto). De quebra vamos ouvir um pouco do vocalista paulistano de blues rock Daniel Magga.
Nossa pretensão é sermos fiéis a verdadeira linguagem do blues: simples e direta, sem oba-oba gratuita e vazia. O blues é muito mais do que "...esses caras são muito bons..."
Antes do programa ir para o ar vamos publicar um pouco do perfil de nossas atrações. Bob Tequilla, no post anterior, já publicou seu comentário pessoal sobre Fleetwood Mac.
Isso é a verdadeira Rota do Blues!!!!!!!!!!!!!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Atração programa 6


FLEETWOOD MAC

Fleetwood Mac é uma banda cheia de histórias confusas, um inicio promissor no blues e
depois uma debandada pop.Era um embrião, um casulo mas não virou libelula. A metamorfose
foi como filme de terror. Virou bruxa.
Uma vez eu lí nos anos 70 uma entrevista de mr BB KINg em que perguntavam a ele qual
seria o guitarrista mais promissor da Inglaterra, lugar sagrado de tantos senhores
da guerra eletrica. E ele citava
Peter Green. Foi a primeira vez que ouvi falar do distinto. Peter como quase todo mundo do
blues britanico tocou na tribo de Mayall substituindo Eric clapton.
Mas como aconteceu com quase todos os musicos também logo saiu para formar sua propria banda.
Foi arrebanhando musico daqui e dali. Chamou um baterista amigo um tal de Mick fleetwood,
que havia sido recusado por Mayall,John macEnvie ficava na baixaria e foi convocando guitarristas.
Era um prenuncio que no futuro a banda ficaria sem eles ehehehehehe.
Primeiro veio Jeremy Spencer depois Danny Kirwan, que tinha apens 18 anos. E pronto tava formadao o Peter's Green Fletwood
Mac. começam os shows, abrindo até para o Cream e muito o sucesso com
os ingleses fanáticos por blues(Oh que oásis!), das suas gravaçoes participan até
Otis span e Willie Dixon.

E de repente Peter green Tem um acesso mistico e abandona guitarras e mundo musical.Karamba isso
é histórinha do seriado dos monkees????Não era não.
A banda continua e numa excursão nos EUA, em Los Angeles Jeremy Spencer desaparece( só faltava ser na blue jay way cheia de brumas cabulosas,
os Beatles já haviam avisado que a fumaça desse lugar é perigosa podia até matar um baixista, que dirá sumir com um guitarrista).
Dias depois foi encontrado numa masmorra dos children of god ou meninos(abandondonados) de deus.Será que é possivel???Era sim. Crise mistica lisergica, assim explicou mr Edu Soliani , consultor de assuntos misticos-lisérgiocos do bloog admirador distante de saint Timothy Leary.
Só que a banda continuou com modificações radicais e o projeto blues também teve uma crise mistica,
isto é foi para o inferno.Se voces não sabem o blues também é uma religião.
Quem o abandona e cai no pop virá anjo decaido.Ou decadente.
E foi o fim do FleetWoods Mac bluseiro e aí só deu baladinhas pop e rockinhos para matar gimba. Assim é o blues: alguns viram misticos outros o traem descaradamente.


quarta-feira, 30 de julho de 2008

George Thorogood and the Destroyers


Outro video do Programa Rota do Blues:

Geoge Thorogood

terça-feira, 29 de julho de 2008


Outro video:

Blues Jeans e Big time Sarah:


Blues Jeans e Big time Sarah

domingo, 27 de julho de 2008


Outro video do Programa Rota do Blues:

Hound Dog and Little Walter

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Programa V no Ar!


Especial THE ALLMAN BROTHERS BAND

Já rodamos um bom pedaço na ROTA DO BLUES! sabemos que ela é infinita e tem muitas ramificações e no caminho encontramos de tudo até o verdadeiro blues e alguns imitadores também. Mas o que importa mesmo é ouvir uma banda igual ao ALLMAN BROTHERS e seu som que faz viajar gerações, e que também já passou por tudo nesse caminho.Viva todos os ALLMANS, voces enriquecem a nossa vida com o seu som!
set list:
1-a banda Hourglass acompanha B.B. King no Medley:
a) Sweet Little Angel b) It's My Own Fault c) How Blue Can You Get?
2-Duane e Clarence Carter - The Road of Love
3-Duane mais Johnny Jenkins destacamos a versão de Rollin' Stone.
4-Allman Brothers no Fillmore:
statesboro blues
done somebody wrong
stormy monday
5-mountain jam
6-Jéssica
7-Mean woman blues
8-soulsihne
9-Don't keep me wondrin"
10-who's Benn Talking

nice sounds:
Programa V -Allman Brothers Special

Jeff Beck e Santana na rota do blues


Outro video do programa rota do blues. E daqueles videos que mais parecem um torpdedo sonoro. Jeff Beck e Santana improvisando e solando a velocidade da luz sem perder o feeling.
Pode ver, escutar e ficar de bem com a vida.

Jeff Beck e Santana

PRINCIPAIS ALBUNS DO BLUES

Outro do Allman brothers esse cheio de excelentes sons e também inspirador do nosso programa nº 5.

Where It All Begins

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Programa 5 - ESPECIAL THE ALLMAN BROTHERS BAND


QUASE PRONTO!

A próxima edição do Rota do Blues Radio (programa 5) apresenta o primeiro ESPECIAL de nosso podcast: THE ALLMAN BROTHERS BAND (foto do grupo fundador).
A edição terá 6 partes e destacaremos algumas obras marcantes da banda e toda sua trajetória através de textos sintéticos.
Vamos poder conferir uma Jam de 33 minutos, só possível através do talento e criatvidade desse grupo.
Também destacaremos uma parte da maior obra prima dos ALLMAN'S, o Live At Fillmore East, de 1971, considerado pela Revista Rolling Stone o melhor álbum ao vivo da história do rock.
Além dessas obras outros clássicos do grupo vamos poder compartilhar como por exemplo a apresentação realizada em 2003 com os novos integrantes da banda que criaram a partir da THE ALLMAN BROTHERS BAND a extraordinária GOV'T MULE.
Se você gosta da banda não perca, se não conhece muito bem ainda este é o momento de se alinhar em nossa Rota.
Nos próximos dias 0 programa 5 estará no ar, antes disso, baixe o álbum EAT A PEACH e sinta o que vai ser nosso primeiro Especial.
Próximo Especial: JIMI HENDRIX

sábado, 12 de julho de 2008

PRINCIPAIS ÁLBUNS DO BLUES



ALLMAN BROTHERS - EAT A PEACH


Fim de semana e mais dois videos na rota do blues:
earl hooker:

Earl Hooker



e os stones:

Honk Tonk Woman

terça-feira, 8 de julho de 2008

terça-feira, 1 de julho de 2008

4º PROGRAMA NO AR!


Saimos do zero e com a ajuda dos amigos chegamos até aqui! E vamos chegar muito mais alto pois nossa força é mesma força do blues! Temos uma fé cega nisso e não por acaso ela está em nosso programa.


Vamos Nessa!!!!!!!!!!! 4º programa:


segunda-feira, 30 de junho de 2008

Koko Taylor , Rainha e Musa do Blues!


Na Rota do Blues Só passam Pedras Rolantes! Agora é a vez do Blues Tradicional e KOko faz uma homenagem a mr Aguas Lamcentas!!!!

sábado, 28 de junho de 2008

Blues Feito no Brasil


Big Chico e sua banda esbanjam talento em mais um video capitaneado pelo Edu "Aguas Lamacentas" Soliani. Blues feito no Brasil.

http://www.youtube.com/v/KK5Nt24s5GY

Blues Tradicional


Sempre tem alguém que nos ensina coisas boas! Hoje em dia é raro , mas ainda assim existe. Tem aquele primeiro aprendizado no volante de um carro. Tem aquela mulher que te mostra a rota do desejo realizado. E tem aquele que te ensina os primeiros acordes numa guitarra. E aí está um dos mestre do mestre BB KING: Bukka White.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

HYDE PARK CONCERT


É PRECISO DIZER ALGUMA COISA?


NÃO , SÓ ASSITIR AO VIDEO:





GET YOUR YAS YAS OUT EHEHEHEHEHE

terça-feira, 24 de junho de 2008

MAIS ROY BUCHANAN!

ROY destrincha sua nancy para nosso prazer!

http://www.youtube.com/v/kvdruxVTNsM

FALTAVA UM GUITARRRISTA NOS VIDEOS DO ROTA?




Não falta mais! Olha o mago da telecaster ai tocando sua guitarra preferida: a Nancy!
Mr ROY BUCHANAN! E tome close ups da NANCY! QUE TESÃO!